Fotos de nossa região

Acessos

sábado, 7 de dezembro de 2013

MRN, em Oriximiná, tem 44% da produção nacional de bauxita


Pará representa 85% da produção brasileira do minério.

Mais de 20 milhões de toneladas de bauxita são produzidas anualmente no oeste do Pará (Foto: Divulgação/Alcoa)Mais de 20 milhões de toneladas de bauxita são produzidas anualmente no oeste do Pará (Foto: Divulgação/Alcoa)
O Pará é o maior produtor nacional de bauxita, representando 85% da produção brasileira do minério. Minas Gerais aparece em segundo, com 14%. Boa parte da produção paraense é extraída das minas localizadas nos municípios de Oriximiná e Juruti, no oeste do Pará. O Brasil, no ranking mundial, está apenas atrás da Austrália (30,45%) e China (21%), com uma produção de 31 milhões de toneladas (14,1%). Com 3,6 bilhões de toneladas de bauxita, o Brasil possui a terceira maior reserva do minério. Os dados são da Pesquisa Geológica dos Estados Unidos (em inglês, United States Geological Survey), de 2012.
A bauxita representa 0,84% das exportações minerais brasileiras. No Pará, o minério é o quarto mais exportado (2,04%), atrás do ferro, cobre e caulim. As principais mineradoras do estado são a Mineração Rio do Norte, que tem 44% da produção nacional, e a Alcoa, com 12% do mercado.
A produção da MRN em Porto trombetas, de janeiro a outubro de 2013, foi de 14 milhões de toneladas. Em 2012, 17,1 milhões de toneladas de bauxita foram produzidas. Desse total, 59% foram destinadas ao mercado interno, suprindo as refinarias da Alumina do Norte do Brasil (Alunorte), no próprio Pará, e para o Consórcio de Alumínio do Maranhão (Alumar), no Maranhão. O restante foi destinado ao mercado externo. A Alcoa, em 2012, produziu cerca de 4,3 milhões de toneladas de bauxita. A expectativa é que esta média seja mantida em 2013. De Juruti, a matéria-prima segue para o Alumar.
As duas empresas geram mais de 6.700 empregos diretos e indiretos, sendo que mais de 80% da mão de obra é da região.

Fonte: G1

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Juiz da comarca de Oriximiná fala sobre as reintegrações de posse que acontece na cidade e acordo que regularizará o bairro do Penta


Populares tomando posse de área próximo ao lixão
Nesta terça 17 de setembro, o juiz da Comarca de Oriximiná, falou sobre as reintegrações de posse realizadas na cidade, segundo o excelentíssimo juiz Clemente Salomão, dois mandados de reintegração já foram cumpridos nesta terça 17, um no terreno pertencente a empresa Martop, no bairro do Santíssimo, e outra na área aonde seria construído o novo cemitério da cidade, pertencente a prefeitura, essa ultima, foi doada pela prefeitura para construção de casas populares.
Ainda segundo o Juiz, nesta terça feira, será cumprido o mandado de reintegração em uma área localizado no bairro de Santa Luzia, pertencente a comunidade.
Já em relação a terreno próximo ao lixão, o juiz disse que até o momento não foi comunicado oficialmente sobre o fato, e que ninguém entrou com processo requerendo a área.

Construção do posto de saúde  bairro do Penta
Clemente Salomão, falou ainda sobre o bairro do Penta, que está em processo jurídico, e por esse motivo o poder público não pode fazer trabalhos de urbanização no local, segundo Salomão, as partis envolvidas, (a prefeitura e os donos do terreno) em audiência feita nesta semana, chegarão a um acordo, a prefeitura vai indenizar os donos, as duas parte cederam e o valor da área,
antes contestado pela prefeitura por ser muito alto, ficou em R$ 500 mil ( quinhentos mil reais), esse montante será pago em 5 parcelas de R$ 100 mil (cem mil reais), agora a proposta vai para a câmara de vereadores para aprovação, sendo aprovada, os moradores do Bairro Penta definitivamente poderão contar com os servições básicos oferecidos pela prefeitura.


Fonte: PR.noticias

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

DELÍCIA: PRATO PARAENSE É ELEITO O MELHOR PF DO BRASIL



A versão vegetariana da tradicional maniçoba paraense foi eleita o melhor prato feito (PF) do Brasil. A escolha foi do júri de um concurso realizado pela empresa Ticket, no Centro Universitário do Senac, em São Paulo.
O PF é um a criação da chef Istadeva Dasi e de Francisco Gomes, do restaurante Govinda, em Belém. Criada há quatro anos, a receita é um dos carros-chefes da casa.
Os cinco finalistas de diversas regiões do país foram avaliados por sete jurados, nas categorias conceito, harmonia dos ingredientes, criatividade, visual, paladar, olfato e equilíbrio nutricional.
A Mariscada de Pargo Grelhado, do Maranhão, ficou em 2° lugar, e a Costelinha de Tambaqui, de São Paulo, ficou com o 3º lugar na competição.

Oriximiná tem o 5º maior PIB entre os municípios mineradores no Pará

PIB: Carajás já quase se equivale à RMB



A composição do Produto Interno Bruto (PIB) do Pará relativo ao ano de 2010, o levantamento mais recente hoje disponível, mostra que o interior assume um papel cada vez mais importante na formação da riqueza do Estado. O resultado disso está na perda de peso relativo da Região Metropolitana de Belém, que até pouco tempo atrás se impunha de forma avassaladora pelo seu poderio econômico.
Responsável pelo cálculo do PIB em parceria com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp) deverá divulgar em novembro próximo o PIB estadual de 2011 e, em dezembro, o PIB dos municípios. Esse levantamento, feito com base em dados oficiais, é um dos critérios utilizados nos cálculos que definem as cotas de partilha do ICMS, os coeficientes de distribuição dos Fundos de Participação (dos Estados e dos Municípios) e também dos fundos constitucionais.

Governo abrirá 16 mil novas vagas com a construção de 36 escolas, a previsão de entrega da Escola Estadual Tecnológica de Oriximiná é para o fim deste ano


Cláudio Santos/ Ag. Pará
A aposentada Violante Ribeiro, 72 anos, comemora a localização da escola no distrito de Mosqueiro, onde não há nenhuma unidade de ensino
Cláudio Santos/ Ag. Pará
A construção de 36 novas escolas e mais 400 salas de aula em todo o Estado, vão abrir mais de 16 mil novas vagas
Rodolfo Oliveira/Ag. Pará
A dona de casa Denise Evangelista, moradora do município de Moju, diz que a escola terá tudo que o estudante precisa
Cláudio Santos/ Ag. Pará
Operários trabalham nas obras da escola do município de Maracanã
Rodolfo Oliveira/Ag. Pará
No município de Moju, as obras já estão em estágio avançado




Mais de 16 mil novas vagas na rede estadual de ensino serão criadas pelo Governo do Estado do Pará com a construção de 36 novas escolas e mais 400 salas de aula em todo o Estado. Cada sala de aula terá capacidade para 40 alunos. O investimento é superior a R$ 120 milhões e resulta da parceria entres os governos federal, via Ministério da Educação (MEC) e estadual, por meio da Secretaria de Educação (Seduc).

Municípios do Baixo Amazonas aderem ao Pacto pela Educação do Pará


Advaldo Nobre/Ascom Seduc
Alexandre Von, prefeito de Santarém assinando o documento de adesão 
Os municípios da região do Baixo Amazonas, no oeste paraense, iniciaram sua adesão ao Pacto pela Educação do Pará e ao Sistema Paraense de Avaliação Educacional (Sispae) nesta terça-feira (10), na cidade de Santarém, durante apresentação dos principais programas e projetos que compõe o Pacto. Com a adesão, cada município se compromete a cumprir a principal meta do Pacto, que é elevar em 30% o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do Pará até 2017.


Dados apurados pelo Pacto pela Educação do Pará demonstram a fundamental participação das redes municipais de ensino no início e no decorrer dos primeiros anos do processo educacional. Em todos os 13 municípios do Baixo Amazonas - Alenquer, Almeirim, Belterra, Curuá, Faro, Juruti, Mojuí dos Campos, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Prainha, Santarém e Terra Santa - são 924 unidades escolares municipais de Educação Infantil e 1.353 de Ensino Fundamental, enquanto a rede estadual possui 65 escolas.

Municípios da Calha Norte recebem viaturas e investimentos do governo