Fotos de nossa região

Acessos

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

UFOPA vai destinar 65 vagas para quilombolas

Descendentes de negros que integram comunidades quilombolas terão seleção diferenciada para ingresso na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) no Processo Seletivo de 2015. Antes de lançar o edital com as regras da seleção, a UFOPA reuniu líderes negros do Baixo Amazonas para apresentar uma proposta de edital. A consulta foi feita durante o Seminário Descentralizado do Processo Seletivo Especial Quilombola, que ocorreu no dia 25 de novembro, no auditório Wilson Fonseca, Campus Rondon, em Santarém.
A reitora da UFOPA, Profa. Dra. Raimunda Monteiro, participou da solenidade de abertura e relembrou o início de sua carreira, quando atuou nos movimentos sociais e teve contato com as manifestações da cultura negra.  Em seu discurso, ressaltou a importância histórica deste momento em que os líderes negros são chamados para ajudar a criar “o primeiro documento que normatiza a entrada dos quilombolas na universidade”. E completou: “Aqui, nós estamos falando dos dois segmentos mais penalizados nos processos de colonizações das Américas: os povos indígenas e quilombolas”. A reitora lembrou ainda que a UFOPA já está “amparada” legalmente pela Lei de Cotas, cumprida pela Universidade desde 2012. “A libertação se dá pelo domínio do conhecimento”, enfatizou.
Além do Campus Rondon da UFOPA, onde ocorreu dia 25 de novembro, o Seminário Descentralizado do Processo Seletivo Especial Quilombola realiza-se também nas cidades de Oriximiná e Jacareacanga, que concentram boa parte das populações quilombolas do Baixo Amazonas e Tapajós.
Será a primeira vez que a UFOPA realiza seleção especial para ingresso de quilombolas. Por isso, a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROEN), a Pró-Reitoria de Gestão Estudantil (PROGES) e a Diretoria de Ações Afirmativas decidiram realizar esses seminários para debater o Processo Seletivo Especial (PSE 2015). Cerca de 150 pessoas, entre lideranças quilombolas e ativistas do movimento negro de Santarém e arredores são esperadas nesses dois dias para debater aspectos do edital, cuja previsão de lançamento é o início do mês de dezembro. De acordo com a reitora, serão destinadas 65 vagas.
“Nós não temos que ter medo de trazer os quilombolas para a Universidade. O que nós temos é a obrigação de abrir as portas para que eles venham não só para receber o que a universidade pode lhes dar de conhecimento, de estudo de oportunidade de ter uma mobilidade social, mas também para vocês trazerem para dentro da universidade o universo da experiência de vocês”.
Nos arredores de Santarém existem 12 comunidades quilombolas. Na região do Planalto estão as comunidades de Bom Jesus, Tiningui, Mururu, Mururutuba e Patos do Ituqui. Na várzea, estão localizadas as comunidades de Arapemá, Saracura, São José, São Raimundo Surubim-Açu e Maicá. Ao todo 3 mil pessoas vivem nesses locais. De acordo com o vice-presidente da Federação das Organizações Quilombolas de Santarém (FORQS), Raimundo Benedito da Silva Mota, apenas 200 dessas pessoas frequentaram o ensino superior. “A nossa negritude precisa estar na universidade. Precisamos debater o que pode vir a constar nesse edital e também nos próximos para garantir nossa permanência”.
Estiveram presentes o secretário de Educação de Alenquer, Antônio Patrício Leitão, o coordenador Pedagógico da Prefeitura de Alenquer, Wilson José da Silva, a coordenadora de Educação Étnico-Racial da Prefeitura de Santarém (SEMED), Alessandra Caripuna, o diretor de Ações Afirmativas da Pró-Reitoria de Gestão Estudantil (PROGES), Florêncio Vaz, e a pró-reitora de Ensino de Graduação (PROEN), Fátima Lima.
Fonte: Lenne Santos - Comunicação/UFOPA

Sema faz consulta pública sobre criação de unidade de conservação em Juruti

A proteção de peixes, quelônios e répteis é o objetivo da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), que promove nesta quinta-feira (27), no município de Juruti, no Baixo Amazonas, consulta pública para debater a proposta de criação da Unidade de Conservação (UC) Lago Mole, na categoria Patrimônio Natural.
A iniciativa da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Juruti, em parceria com a Sema, de reconhecer o Lago Mole como área protegida, justifica-se por causa das constantes tentativas de invasão no local. A área tem 652,68 hectares, dos quais 60% são vegetação que contorna o lago, considerada Área de Preservação Permanente, de acordo com o Código Florestal. A parte hídrica, importante para essas espécies, ocupa 40% do total da área de 262,12 hectares e atinge a profundidade média de dez metros, em período de estiagem.
A consulta pública é uma exigência legal que objetiva assegurar que as populações locais, do entorno ou do interior da área a ser criada, além de organizações governamentais, ambientalistas e pesquisadores sejam informados e consultados sobre a proposta de criação de uma Unidade de Conservação. As consultas obedecem a princípios como participação, impessoalidade, interesse público, motivação e divulgação, e devem ser conduzidas pelo órgão responsável pela criação da unidade.
Káthia Oliveira
Secretaria de Estado de Meio Ambiente
Fonte: Agencia Pará de Noticias

Escola Técnica de Oriximiná divulgará seu primeiro edital até dezembro

Escola Tecnológica de Oriximiná
A Escola Técnica de Oriximiná, que beneficiará os alunos de Ensino Médio da região oeste do Pará, deve iniciar o seu primeiro processo seletivo em dezembro deste ano. De acordo com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), o edital já está em construção pela equipe da coordenadoria de educação profissional e alguns cursos especiais serão ministrados já a partir deste mês. “Os cursos que serão ofertados no ensino regular são: técnico em Agropecuária e Mineração. Os mesmos foram definidos a partir de um Fórum realizado no município. No entanto, em novembro teremos alguns cursos extras que serão oferecidos”, explica Socorro Marques, que faz parte da equipe que elabora o edital.

A professora Adenil Albuquerque da Silva, vice-diretora da Escola Estadual de Ensino Médio José Nicolino de Souza, comenta sobre a expectativa para o início das atividades da escola técnica. “Muitos jovens têm nos perguntado, inclusive na nossa escola, a respeito dos cursos que virão para a escola tecnológica. Pelas informações que recebemos teremos cursos de mineração e agropecuária. Acreditamos que a escola tecnológica do município de Oriximiná é um grande benefício na área da educação para melhorar a formação dos alunos e das pessoas que moram nos municípios vizinhos daqui. Então, na verdade, essa escola, sem dúvida, contribuirá também para a melhoria dos municípios”, comenta a vice-diretora.
Escola Tecnológica de Oriximiná
Ainda de acordo com a Seduc, a inauguração da escola será realizada após as últimas avaliações da secretaria, porém, ainda este ano, a instituição promoverá um Curso de Formação Inicial e Continuada no período de 27 de novembro a 11 de dezembro. Serão ministrados os cursos “Tópicos de Nutrição de Bovinos de Corte”, na Escola Técnica de Oriximiná e, no período de 14 a 26 de novembro, será realizado um curso de Tópicos de Fruticultura na Comunidade Quilombola do Mour-Saberes, da Educação de Jovens e Adultos.
“Eu vejo que essa escola técnica do nosso município será muito importante para somar na educação dos estudantes. Antes nós tínhamos pessoas que saíam do município para buscar uma qualificação profissional para ingressar no mercado e agora essa escola veio nos ajudar porque muitas pessoas pagavam cursos técnicos que não seriam cabíveis no orçamento familiar. Agora já sabemos que os cursos serão gratuitos e qualquer aluno do ensino médio pode participar da seleção”, relata o aluno Daniel Oliveira, 18, da Escola Estadual de Ensino Médio José Nicolino de Souza. Ele já faz planos de se formar e trabalhar no próprio município. “Quero me formar para trabalhar aqui. O nosso município precisa de mais pessoas trabalhando aqui. Ainda não escolhi a área, mas gosto muito de enfermagem e design”.
Diego Andrade
Secretaria de Estado de Comunicação
Fonte: Agencia Pará de Noticias

sábado, 1 de novembro de 2014

Energia do Linhão poderá chegar em Óbidos e Oriximiná em dezembro de 2014



O Projeto Calha Norte da CELPA, que visa o rebaixamento da energia elétrica do Linhão de Tucuruí para os municípios da Calha Norte, no oeste do Pará, está contemplando, em seu Plano de Obras, um elenco de atividades visando a interligação, inicialmente, das cidades de Oriximiná e Óbidos, previsto para acontecer em dezembro de 2014.
Com a implantação das obras do Projeto Calha Norte serão beneficiados os seguintes municípios:  Oriximiná; Terra Santa; Faro; Curuá; Óbidos; Alenquer; Monte Alegre e Prainha, iniciando com a interligação de Oriximiná - Óbidos, em sua primeira etapa. Depois de implementado o rebaixamento, serão desativadas 8 Usinas Dieselétricas – UDEs.
Segundo informações da CELPA sobre a Interligação de Óbidos com Oriximiná, a previsão para conclusão dessa primeira etapa é em Dez/2014. O custo desta interligação, incluindo a linha de transmissão e subestações está na ordem de R$48.000.000,00 (Quarenta e Oito Milhões de Reais), investimento que está sendo realizado pela própria CELPA.
Outra informação, é que através da estrutura da linha de transmissão Oriximiná-Óbidos será encaminhado cabo de fibra ótica para otimizar a Internet nessas cidades.  A subestação da CELPA que irá atender o Município de Óbidos está sendo construída a cerca de 4Km da sede do município.
Todas estas informações foram repassadas pela CELPA em reunião ocorrida na Sede daquela Concessionária em 24/10/2014, onde participaram os engenheiros Guilherme Smith e Alexandre e o Chefe do Departamento de Poder Público Sr. Juraci Negrão, todos da CELPA, o Diretor Geral do IFPA – Campus Óbidos, Prof. Fernando Emmir, juntamente com Engenheiro Eletricista do IFPA, Marcelo Rodrigues.
Segundo a Celpa, esse Projeto trará vários benefícios para esses Municípios, como a promoção do desenvolvimento do potencial econômico, pois será implantada uma infraestrutura de energia elétrica adequada, eliminando os riscos ambientais e custos elevados da geração, a partir de queima de óleo diesel, que restringem a liberação plena do mercado de energia elétrica e, consequentemente, o potencial econômico da região, beneficiando aproximadamente 55.700 unidades consumidoras (população superior a 250.000 habitantes).

Com informações do Eng. Marcelo Rodrigues

PRAÇA DE SANTO ANTÔNIO É INTERDITADA PARA REFORMA


Serão implementadas melhorias como rampas de acessibilidade e piso tático. 

Nesta semana, a Praça de Santo Antônio começou a receber tapumes anunciando o início das obras para revitalização desse espaço público tão querido pelos oriximinaenses. Os trabalhos trouxeram muitas dúvidas aos moradores que manifestaram suas preocupações pelas redes sociais. Pelo projeto, o logradouro atenderá às regras da Lei da Acessibilidade com rampas e piso adaptado para deficientes visuais, dentre outras melhorias. 

"A população pode ficar tranquila, pois toda a estrutura será mantida como o coreto, o chafariz e as árvores. A praça vai ser modernizada e ficar mais adequada a todos os moradores e para os eventos como o Círio de Santo Antônio", esclarece Alfeu Carpeggiane, Secretário de Transporte, Obras e Serviços.

Embora seja mantida a estrutura principal do logradouro, o projeto de reforma prevê várias melhorias. "As vias vão ser alargadas dentro das normas da ABNT, os idosos vão ter uma área para atividade física. A praça toda vai ser adequada com rampas e piso tático aos deficientes visuais. Ficará mais bonita e melhor, com toda certeza", garante Geraldo Monteiro, Engenheiro Civil da Prefeitura.

O coreto, motivo de muita preocupação nas redes sociais, receberá adequações. "O correto vai ser reformado e receberá rampa de acessibilidade para deficientes e o chafariz também será revitalizado", conta Geraldo.

A obra está sendo executada a partir de um convênio entre a prefeitura e o Governo do Estado. Foi licitada em setembro através da Tomada de Preços Nº 009-PMO/2014 da qual participaram duas empresas, uma de Juruti e outra de Oriximiná, tendo como vencedora a Construtora Engemil LTDA com a proposta de preços no valor de R$ 529.342,41. O prazo para entrega da obra é de 6 meses ou 180 dias podendo ser prorrogável por igual período. 

Fonte: http://www.oriximina.pa.gov.br/

PRAÇA É REVITALIZADA COM PNEUS REUTILIZADOS


A iniciativa reformou brinquedos já existentes e instalou novos.



A praça do Conjunto Habitacional Luiz Gonzaga, mais conhecido como Casas Populares, ganhou um colorido todo especial com pneus que foram transformados em brinquedos e suporte para espécies florísticas no Curso de Reciclagem promovido pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano através da Coordenadoria de Saneamento em parceria a Associação de Mulheres.

O curso foi realizado no período de 20 a 24 de outubro, na sede da Associação de Mulheres e teve como ministrante a Arquiteta e Paisagista, Diana Marinho. "No curso trabalhamos com a reutilização de pneus e garrafas pet. Com os pneus faremos a montagem da praça com brinquedos como balanço, minhoca, boneca, caminho, cavalinho. Já o pet será transformado em lixeiras", relata Diana que também é especialista em Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente.

A revitalização da praça foi um trabalho realizado paralelo ao curso. Todos os dias, após o fechamento das atividades na Associação de Mulheres, os participantes se dirigiam ao logradouro para fazer a instalação dos artigos produzidos. "Achei uma ideia muito boa, nunca podia imaginar que com pneu e pouca coisa conseguiríamos algo tão bonito. Já estou querendo fazer o mesmo lá em casa", comenta Tereza Pimentel Barreto, artesã.

A iniciativa tem por objetivo incentivar a reutilização de pneus no artesanato e geração de renda, bem como no paisagismo das casas e espaços públicos. "Com isso trazemos uma nova reflexão à população de que muito do que se joga fora pode ser reutilizado principalmente para gerar trabalho e renda. A partir dessa praça as pessoas podem ver como podem reutilizar o pneu e ajudar diminuir o acúmulo desse resíduo no lixão", afirma Stela Santos, Coordenadora de Saneamento, na Secretaria de Desenvolvimento Urbano (SEMDURB).

O trabalho na praça ainda não foi concluído. Ainda serão instaladas floreiras e mais brinquedos. "As floreiras que serão colocadas são todas de pneus velhos. O carpinteiro ainda vai repassar a manutenção dos brinquedos para fazermos a instalação em outro momento. Nossa vontade é que os moradores da área aproveitem a praça e possam zelar por ela", finaliza Diana.

Fonte: http://www.oriximina.pa.gov.br

TERMINAL HIDROVIÁRIO RECEBERÁ OBRAS PARA AMPLIAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE SUA ESTRUTURA ÀS NORMAS DO DNIT


Na manhã desta terça-feira, 02/09, representantes da Diretoria de Transportes do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) estiveram em Oriximiná para divulgar o contrato entre o DNIT e a empresa Consutec Consultoria e Tecnologia para a construção de um sistema definitivo de ancoragem no terminal Hidroviário.

“Será contemplado nesta obra toda reforma e ampliação da rampa de concreto de acordo com a concepção técnica do DNIT e da Marinha, além da construção de uma balsa Ferry Boat de 16m de largura por 56m de comprimento que vai operar tanto para passageiros quanto para cargas”, explica Lindomar de Abreu Júnior, da Diretoria de Transportes do DNIT.

A obra está avaliada em R$ 5,1 milhões que será investido no município promovendo a geração de emprego e distribuição de renda. “Toda a mão de obra contratada será 100% de Oriximiná, do nosso quadro funcional, e se houver a necessidade, temos um banco de curriculum e podemos estar chamando pessoas para trabalhar”, declara Augusto Silva, engenheiro civil e sócio da empresa Consutec, Consultoria e Tecnologia.

Os serviços iniciais já estão em execução e a obra deverá ser concluída no período de 18 meses. “O transporte hidroviário é o mais usado em Oriximiná, essa obra vai trazer mais conforto e segurança aos passageiros e isso vai ser uma grande melhoria para o nosso município, principalmente para as pessoas”, assegura o prefeito municipal, Luiz Gonzaga.

Fonte: Leize Silva, Assessora de Comunicação da Prefeitura.

ALDEIA INDÍGENA INAJÁ, EM ORIXIMINÁ, TERÁ ESCOLA DE QUASE R$ 1 MILHÃO

A obra é resultado de convênio firmado entre a SEDUC e a Prefeitura.


A escola será construída na Aldeia Indígena Inajá, resultante do convênio de cooperação técnica e financeira entre a Prefeitura e o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado de Educação (SEDUC). A obra conta com o valor global de R$ 966.800,03 e vai atender estudantes indígenas da Rede Estadual de Ensino.

A escola conta com 4 salas de aula, sala de leitura, sala de informática, diretoria, secretaria, sala dos professores, almoxarifado, vestiário, cozinha industrial, depósito, área de serviço, área de recreação, banheiros para funcionários, banheiros para alunos, além de caixa d'água de concreto com capacidade de 20 mil litros.

Para a celebração do convênio, a SEDUC destinou recursos no valor de R$ 937.796,03 e a prefeitura entrou com a contrapartida de R$ 29.004,00.

A obra já foi licitada através de Tomada de Preço Nº TP-008/PMO, divulgada nos Diários Oficiais do Estado e da União. 

A aldeia indígena Bateria também ganhará uma escola com duas salas de aula para o qual foram destinados recursos no valor global R$ 529.999,64, sendo R$ 514.099,66, responsabilidade do Governo do Estado, e R$ 15.899,98, contrapartida da prefeitura.

Fonte:  Assessoria de Comunicação da Prefeitura.

SEMDURB FIRMA CONVÊNIO QUE PREVÊ IMPLANTAÇÃO DE SEMÁFOROS EM ORIXIMINÁ

De acordo com o projeto de trânsito serão implantados 6 semáforos nas principais vias de Orixiiminá.


A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SEMDURB) vem buscando parcerias junto a empresas e ao Governo do Estado para desenvolver ações, em Oriximiná, que promovam melhoras nas áreas de saneamento, habitação, zoneamento urbano e trânsito. Entre as boas notícias para essas áreas está o convênio com o DETRAN (Departamento Nacional de Trânsito) que prevê a implantação de semáforos nas ruas de maior fluxo de veículos da cidade.

"Buscamos parceria junto ao DETRAN do Estado onde protocolamos uma solicitação de engenheiro de trânsito para vir ao município verificar a sinalização. Fomos atendidos, o engenheiro já esteve aqui e apresentou um projeto de revitalização da sinalização. Só falta a liberação da verba da iniciar os trabalhos", ressalta Cleiziane Batista, Secretária de Desenvolvimento Urbano.

Dentro do projeto de revitalização da sinalização da cidade está prevista a instalação de seis semáforos nas principais vias públicas. "Com a implantação dos semáforos, nós temos a preocupação de ir às ruas, principalmente nos pontos em que estarão instalados, para desenvolver ações educativas, de conscientização, voltadas aos nossos condutores e pedestres para respeitar essa sinalização", garante Cleiziane.

Outra parceria importante firmada com o DETRAN garante a disponibilidade de uma equipe de fiscalização do órgão para atuar no município durante uma semana por mês. "Solicitamos que o DETRAN esteja no município pelo menos uma semana no mês. Isso já está acontecendo e vai permanecer até contratarmos, através de concurso público, os 10 agentes municipais de trânsito, estabelecido em lei", ressalta a Secretária de Desenvolvimento urbano.

Para garantir mensalmente a presença do DETRAN no município, a prefeitura é responsável pelas despesas com hospedagem e alimentação à equipe. 

Fonte: blog orixnoticia

sábado, 7 de dezembro de 2013

MRN, em Oriximiná, tem 44% da produção nacional de bauxita


Pará representa 85% da produção brasileira do minério.

Mais de 20 milhões de toneladas de bauxita são produzidas anualmente no oeste do Pará (Foto: Divulgação/Alcoa)Mais de 20 milhões de toneladas de bauxita são produzidas anualmente no oeste do Pará (Foto: Divulgação/Alcoa)
O Pará é o maior produtor nacional de bauxita, representando 85% da produção brasileira do minério. Minas Gerais aparece em segundo, com 14%. Boa parte da produção paraense é extraída das minas localizadas nos municípios de Oriximiná e Juruti, no oeste do Pará. O Brasil, no ranking mundial, está apenas atrás da Austrália (30,45%) e China (21%), com uma produção de 31 milhões de toneladas (14,1%). Com 3,6 bilhões de toneladas de bauxita, o Brasil possui a terceira maior reserva do minério. Os dados são da Pesquisa Geológica dos Estados Unidos (em inglês, United States Geological Survey), de 2012.
A bauxita representa 0,84% das exportações minerais brasileiras. No Pará, o minério é o quarto mais exportado (2,04%), atrás do ferro, cobre e caulim. As principais mineradoras do estado são a Mineração Rio do Norte, que tem 44% da produção nacional, e a Alcoa, com 12% do mercado.
A produção da MRN em Porto trombetas, de janeiro a outubro de 2013, foi de 14 milhões de toneladas. Em 2012, 17,1 milhões de toneladas de bauxita foram produzidas. Desse total, 59% foram destinadas ao mercado interno, suprindo as refinarias da Alumina do Norte do Brasil (Alunorte), no próprio Pará, e para o Consórcio de Alumínio do Maranhão (Alumar), no Maranhão. O restante foi destinado ao mercado externo. A Alcoa, em 2012, produziu cerca de 4,3 milhões de toneladas de bauxita. A expectativa é que esta média seja mantida em 2013. De Juruti, a matéria-prima segue para o Alumar.
As duas empresas geram mais de 6.700 empregos diretos e indiretos, sendo que mais de 80% da mão de obra é da região.

Fonte: G1

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Juiz da comarca de Oriximiná fala sobre as reintegrações de posse que acontece na cidade e acordo que regularizará o bairro do Penta


Populares tomando posse de área próximo ao lixão
Nesta terça 17 de setembro, o juiz da Comarca de Oriximiná, falou sobre as reintegrações de posse realizadas na cidade, segundo o excelentíssimo juiz Clemente Salomão, dois mandados de reintegração já foram cumpridos nesta terça 17, um no terreno pertencente a empresa Martop, no bairro do Santíssimo, e outra na área aonde seria construído o novo cemitério da cidade, pertencente a prefeitura, essa ultima, foi doada pela prefeitura para construção de casas populares.
Ainda segundo o Juiz, nesta terça feira, será cumprido o mandado de reintegração em uma área localizado no bairro de Santa Luzia, pertencente a comunidade.
Já em relação a terreno próximo ao lixão, o juiz disse que até o momento não foi comunicado oficialmente sobre o fato, e que ninguém entrou com processo requerendo a área.

Construção do posto de saúde  bairro do Penta
Clemente Salomão, falou ainda sobre o bairro do Penta, que está em processo jurídico, e por esse motivo o poder público não pode fazer trabalhos de urbanização no local, segundo Salomão, as partis envolvidas, (a prefeitura e os donos do terreno) em audiência feita nesta semana, chegarão a um acordo, a prefeitura vai indenizar os donos, as duas parte cederam e o valor da área,
antes contestado pela prefeitura por ser muito alto, ficou em R$ 500 mil ( quinhentos mil reais), esse montante será pago em 5 parcelas de R$ 100 mil (cem mil reais), agora a proposta vai para a câmara de vereadores para aprovação, sendo aprovada, os moradores do Bairro Penta definitivamente poderão contar com os servições básicos oferecidos pela prefeitura.


Fonte: PR.noticias

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

DELÍCIA: PRATO PARAENSE É ELEITO O MELHOR PF DO BRASIL



A versão vegetariana da tradicional maniçoba paraense foi eleita o melhor prato feito (PF) do Brasil. A escolha foi do júri de um concurso realizado pela empresa Ticket, no Centro Universitário do Senac, em São Paulo.
O PF é um a criação da chef Istadeva Dasi e de Francisco Gomes, do restaurante Govinda, em Belém. Criada há quatro anos, a receita é um dos carros-chefes da casa.
Os cinco finalistas de diversas regiões do país foram avaliados por sete jurados, nas categorias conceito, harmonia dos ingredientes, criatividade, visual, paladar, olfato e equilíbrio nutricional.
A Mariscada de Pargo Grelhado, do Maranhão, ficou em 2° lugar, e a Costelinha de Tambaqui, de São Paulo, ficou com o 3º lugar na competição.

Oriximiná tem o 5º maior PIB entre os municípios mineradores no Pará

PIB: Carajás já quase se equivale à RMB



A composição do Produto Interno Bruto (PIB) do Pará relativo ao ano de 2010, o levantamento mais recente hoje disponível, mostra que o interior assume um papel cada vez mais importante na formação da riqueza do Estado. O resultado disso está na perda de peso relativo da Região Metropolitana de Belém, que até pouco tempo atrás se impunha de forma avassaladora pelo seu poderio econômico.
Responsável pelo cálculo do PIB em parceria com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp) deverá divulgar em novembro próximo o PIB estadual de 2011 e, em dezembro, o PIB dos municípios. Esse levantamento, feito com base em dados oficiais, é um dos critérios utilizados nos cálculos que definem as cotas de partilha do ICMS, os coeficientes de distribuição dos Fundos de Participação (dos Estados e dos Municípios) e também dos fundos constitucionais.

Governo abrirá 16 mil novas vagas com a construção de 36 escolas, a previsão de entrega da Escola Estadual Tecnológica de Oriximiná é para o fim deste ano


Cláudio Santos/ Ag. Pará
A aposentada Violante Ribeiro, 72 anos, comemora a localização da escola no distrito de Mosqueiro, onde não há nenhuma unidade de ensino
Cláudio Santos/ Ag. Pará
A construção de 36 novas escolas e mais 400 salas de aula em todo o Estado, vão abrir mais de 16 mil novas vagas
Rodolfo Oliveira/Ag. Pará
A dona de casa Denise Evangelista, moradora do município de Moju, diz que a escola terá tudo que o estudante precisa
Cláudio Santos/ Ag. Pará
Operários trabalham nas obras da escola do município de Maracanã
Rodolfo Oliveira/Ag. Pará
No município de Moju, as obras já estão em estágio avançado




Mais de 16 mil novas vagas na rede estadual de ensino serão criadas pelo Governo do Estado do Pará com a construção de 36 novas escolas e mais 400 salas de aula em todo o Estado. Cada sala de aula terá capacidade para 40 alunos. O investimento é superior a R$ 120 milhões e resulta da parceria entres os governos federal, via Ministério da Educação (MEC) e estadual, por meio da Secretaria de Educação (Seduc).

Municípios do Baixo Amazonas aderem ao Pacto pela Educação do Pará


Advaldo Nobre/Ascom Seduc
Alexandre Von, prefeito de Santarém assinando o documento de adesão 
Os municípios da região do Baixo Amazonas, no oeste paraense, iniciaram sua adesão ao Pacto pela Educação do Pará e ao Sistema Paraense de Avaliação Educacional (Sispae) nesta terça-feira (10), na cidade de Santarém, durante apresentação dos principais programas e projetos que compõe o Pacto. Com a adesão, cada município se compromete a cumprir a principal meta do Pacto, que é elevar em 30% o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do Pará até 2017.


Dados apurados pelo Pacto pela Educação do Pará demonstram a fundamental participação das redes municipais de ensino no início e no decorrer dos primeiros anos do processo educacional. Em todos os 13 municípios do Baixo Amazonas - Alenquer, Almeirim, Belterra, Curuá, Faro, Juruti, Mojuí dos Campos, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Prainha, Santarém e Terra Santa - são 924 unidades escolares municipais de Educação Infantil e 1.353 de Ensino Fundamental, enquanto a rede estadual possui 65 escolas.

Municípios da Calha Norte recebem viaturas e investimentos do governo